Fique atento aos sinais da diabetes em cães

Sobrepeso devido à alimentação exagerada e desequilibrada, estresse e falta de atividade física regular são os maiores riscos para diabetes em cães.

O estilo de vida moderno está entre os principais causadores de doenças em humanos e também nos pets. A diabetes em cães é uma dessas patologias crônicas na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz. Sem esse hormônio, a glicose não entra nas células, deixando o peludinho sem energia e com excesso de açúcar no sangue. Como resultado, ele se torna propenso a uma série de complicações, como cegueira e insuficiência renal. Em geral, a diabetes é causada por uma série de fatores, que muitas vezes ocorrem de forma conjunta:

  • Obesidade;
  • Pancreatite (inflamação do pâncreas, órgão que produz insulina);
  • Hiperlipidemia (excesso de gordura no sangue);
  • Administração inadequada de medicamentos;
    Predisposição genética.

Para conseguir identificar os sinais clínicos e diagnosticar a diabetes ainda no início, é fundamental conhecer bem seu cãozinho para identificar mudanças, que podem dar pistas sobre a doença na fase inicial. No começo, ele pode apresentar problemas, como:

  • Sede excessiva;
  • Aumento de apetite;
  • Cansaço e sedentarismo;
  • Maior frequência de vontade de urinar.

Uma outra característica também comum é o acúmulo de açúcar na urina. O tutor pode perceber isso ao ver formigas sendo atraídas pelo xixi.

Cuidados e tratamento da diabete em cães

Ao identificar uma das manifestações clínicas da doença, o tutor deve levar o cão para uma avaliação do médico veterinário especialista em endocrinologia. Uma vez confirmada a doença, é fundamental o comprometimento do tutor para que o pet possa manter as concentrações de glicose em níveis ideais no sangue, evitando picos ou quedas.

O tratamento é realizado com a aplicação de insulina, em geral duas vezes ao dia, e com uma alimentação adequada – para isso existem as rações específicas, com a composição do menu diferente da de um cão saudável. A dieta e a medicação precisam ser indicadas por um médico veterinário especializado.

Diagnóstico e tratamento garantem qualidade de vida

O Lui Carlo é um exemplo de pet que convive com a diabetes. Paciente da Pet Center Canoas, o cãozinho de 11 anos foi diagnosticado com a doença em agosto.

Ele estava tomando água em demasia e urinando muito, o que fez com que os tutores buscassem atendimento veterinário. Lui Carlo faz acompanhamento com a endocrinologista, que ajusta as doses de insulina que são aplicadas no pet diariamente, além dos exames para monitorar a diabetes.

Recentemente, nossa equipe inseriu no Lui Carlo um sensor interisticial, garantindo o monitoramento de glicose de uma forma menos invasiva e com mais tranquilidade para o pet.

Assista ao vídeo abaixo e veja como funciona a medição da glicose com este equipamento.

 

 

Seu cão tem apresentado sinais clínicos que se encaixam no quadro de diabetes? Não deixe de buscar atendimento veterinário. Com o diagnóstico, é possível dar início a um tratamento e garantir o bem-estar do seu pet. Clique aqui para falar com a Pet Center Canoas.

Mais posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.